segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

PROIBIÇÃO DE FESTAS E APLICAÇÃO DA LEI DE TRÂNSITO GERA DESEMPREGO E MEDO NA CIDADE DE CURURUPU.


     Paulo Henrique Reis

Nossa Cururupu vive um momento delicado, complexo e reflexivo. Inicialmente deixo claras as decisões com as quais concordo: disciplinamento dos locais de festas, horários de funcionamento de bares, a proibição de menores em festas, pilotando motos e dirigindo carros. Concordo com o uso permanente do capacete, retrovisores e demais itens de segurança e com a proibição dos postos de combustíveis de abastecerem veículos dirigidos por menores. Entretanto, não concordo com a proibição quase que total de realização de eventos, visto que as pessoas ligadas a eventos são empreendedores locais e pagam seus impostos. Donos de distribuidoras de cervejas, DJs, donos de radiolas, de clubes, botiquinzeiros, carregadores , recolhedores de garrafas e seguranças são pessoas dignas e vivem dessas atividades há anos. Entendo também que, a regularização desses locais não é simples num país dominado pela burocracia.

Quanto ao trânsito, acredito que Cururupu sendo uma cidade com problemas infra-estruturais centenários não possui a menor condição de se adaptar em 180  dias a Lei de Trânsito. Questiono-me a exigência de placas e IPVA, já que quando pago este imposto deveria retornar na forma de ruas e estradas de qualidade, coisa que não acontece, pois todos os condutores trafegam o ano inteiro em estradas esburacadas.

O povo de Cururupu está apavorado, escondido e humilhado. Acredito que o  problema do emplacamento e da habilitação não é uma questão de prazo mas sim o acesso  aos órgão que regulamentam o trânsito. Desde o governo de Jackson Lago foi criada a Gerencia Regional de Cururupu e até hoje não saio do papel, ou seja, os órgãos de trânsito não vieram para a cidade. Hoje regulamentar o veiculo e o condutor chega a R$ 3.000,00 reais e quem tem esta quantia na poupança?

Estou me sentindo como um bandido fugindo da policia com tantos boatos na cidade. O povo de Cururupu precisa ter poder de organização e questionar a necessidade das coisas. A economia esta doente, pais de família estão deixando de ganhar seu dinheiro e até crianças estão deixando de ir à escola porque usam moto taxe e estes não podem trabalhar.

Quero cobrar publicamente respostas do pode público, dos vereadores e até mesmo da oposição, pois o povo está precisando de vocês agora e não daqui a quatro anos. Fico indignado com tantas criticas a nossa cidade nas redes sociais e a população parece não ter uma resposta para a situação, precisamos parar de falar somente nos cantos e cobrar respostas dos nossos representantes. Por Paulo Henrique Reis.